Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Acertos de uma Miúda

"I felt in love for a whisper, a demon, a torment. I felt in love for a madness."

E se...

Sou o tipo de pessoa fechada demais, não conto os meus problemas porque os prefiro guardar para mim. Tento compreender os outros mas não me compreendo. Espero algo da vida que nem sei o que é. Sou feliz e triste ao mesmo tempo. Sinto tudo mas não demonstro nada. Seguro lágrimas até não aguentar mais. Gosto de ajuda mas não gosto de ser ajudada. Sou o tipo de pessoa que deseja o impossível. O tipo de pessoa que quando chora, não sabe o que doí mais: ontem era saudade, hoje é dúvida, e amanhã, quem sabe, possa ser solidão. Há tantos motivos para entristecer. Mas eu encontrei alguém em quem pudesse confiar, eu deixei-a entrar e tiraram-na de mim. Eu precisava de uma amiga e ela magoou-me.

E se eu partisse agora? E se eu não andasse mais na rua, não sorrisse mais para estranhos simpáticos. Não atendesse os telefonemas de amigos, dos meus pais; se eu não respondesse às mensagens de texto dos meus amigos. Não me iria encontrar com mais ninguém, não tiraria mais duvidas nem procuraria mais certezas. Ninguém, jamais, voltaria a ouvir algo vindo de mim. E as musicas que passassem na rádio? Causariam angustia às pessoas a quem eu as tivesse mostrado. Ninguém voltaria a presenciar ataques de riso vindos de mim. O som da minha gargalhada seria calado para sempre. Nunca mais me iriam ouvir reclamar da vida, mas haverá alguém quer prefira ouvir-me reclamar a presenciar o som do meu silêncio?

3 comentários

Comentar post